Publicado em: 17/07/2020 17h09 – Atualizado em: 23/08/2021 14h27

Meio nervosa - meia nervosa

LEMBRE-SE:

Devo dizer:

                                         MEIO NERVOSA? ou  MEIA NERVOSA?

A palavra “meio”, nas expressões acima, modifica o adjetivo “nervosa”. O termo que modifica um adjetivo é o advérbio, o qual é invariável em gênero e em número. Por essa razão, “meio”, advérbio de intensidade equivalente a “mais ou menos”, “um pouco”, deve ser empregado no masculino e no singular, invariavelmente. O correto, portanto, é dizer meio nervosa”.

Veja os exemplos a seguir, em que “meio” também é um advérbio.

“Os eleitores tendem a se arrepender de suas decisões meio precipitadas, tomadas sem refletir sobre a conduta pregressa de certos candidatos.”

“Muitos alunos ficam meio inseguros quando participam da prova oral.”

Como numeral fracionário equivalente à “metade” de uma unidade, a palavra “meio” concorda com o substantivo a que se relaciona.

“Compramos meia melancia.” (meia = metade)

“Saímos da reunião ao meio-dia e meia (hora).”

Enquanto adjetivo modificador de um substantivo, “meio” varia em gênero e em número nas seguintes acepções: “evasivo”, “dúbio” “moderado”, “comedido”, “entre dois extremos” (exatamente “a meio de”). 

“Aquele promotor não é de meias-palavras, vai direto ao ponto.”

(meias-palavras = palavras evasivas)

“Todos perceberam que aquele político fez um discurso repleto de meios-termos.” (meios-termos= palavras dúbias)

“Quem é radical não consegue encontrar um meio-termo para discutir política de forma saudável.” (encontrar um meio-termo = ser comedido)

“Pelas ideias expostas, podemos dizer que ele está no meio-termo entre a crença e a descrença.” (está no meio-termo = está entre dois extremos: a crença e a descrença)