Publicado em: 09/06/2020 18h00 – Atualizado em: 23/08/2021 14h27

Por que / Por quê

LEMBRE-SE:

Quando usar

                                                 POR QUE  /  POR QUÊ

Empregamos:

 “Por que”

  1. No início de frases interrogativas.
    Por que você não cumpriu o prometido?”
    Por que é tão difícil ser aprovado nessa matéria?”

  2. Quando se subentende a palavra “motivo”, “razão”.
    “Não sei por que você reagiu assim.” (= por que motivo)
    “Todos sabem por que confiar nele.”(= por que razão)  

  3. Sempre que for possível substituir “por que” por “pelo qual”, “pela qual”, “pelos quais”, “pelas quais”.

    “A experiência por que passei foi gratificante.”(= a experiência pela qual)

    “Alcançar os objetivos por que lutei compensou o esforço empreendido.”(= os objetivos pelos quais)

           Veja que, ao contrário do que talvez alguns pensem, “por que” também
           pode aparecer em frases afirmativas, e não apenas em frases
           interrogativas.

Por quê”

  1. Nos casos em que “por que”, com sentido de “por que motivo” ou “por que razão”, vem no fim da frase, o “quê” é tônico e, assim, é acentuado.

    “Você saiu apressado, por quê?” (= por que razão?)

    “Ele estava muito nervoso. Não sei por quê.” (= por que motivo)

     

  2. O uso de “por quê”, no interior da frase, quando anteceder uma pontuação (vírgula, reticências ou ponto e vírgula) que faça o “quê” se tornar tônico, é uma ocorrência registrada por gramáticos como Domingos Paschoal Cegalla e Celso Pedro Luft.

    “Eu não sei por quê, mas ele não retornou meu chamado.”

    “Ninguém sabia por quê, mas todos foram convocados para a reunião.”

  3. Luiz Antonio Sacconi, em Nossa Gramática – Teoria e Prática, explica que, antes de uma pausa forte, também há o emprego do “quê” tônico, exemplificando:

    “Ela me fez isso, por quê, se a amamos tanto?”

     

    O emprego de “porque” e “porquê” será tratado em outra oportunidade.