Publicado em: 28/07/2021 13h48 – Atualizado em: 23/08/2021 14h27

Crase (I)

LEMBRE-SE:

Quando empregar

CRASE (I)

Crase é a fusão ou contração de duas vogais iguais: aa, sendo o primeiro apreposição, e o segundo, artigo definido feminino ou o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele, aquela, aquilo, no singular ou no plural.

É importante destacar que crase e acento são conceitos diferentes. Na verdade, o acento grave (`) é o sinal gráfico indicativo da fusão de dois aa. Por essa razão, muitos gramáticos veem como inadequado este tipo de pergunta: “O a tem crase?” “Devo crasear este a?”. Isso porque, em tese, o a não tem crase, ele tem um acento grave que indica a existência de crase. O melhor seria dizer: “Devo colocar o acento grave no a, porque se trata de crase?”.

Em obras antigas, era comum grafar os dois aa: “Vou aa banca de jornal”. Para evitar o encontro gráfico de dois aa, que soava “estranho”, decidiu-se empregar o acento grave como sinal da ocorrência da fusão da preposição com o artigo. A partir do Acordo Ortográfico de 1945, definiu-se o uso do acento grave para indicar a ocorrência da crase.

Uma regra geral para se empregar a crase é verificar se há uma palavra feminina determinada pelo artigo a (ou as) e se esse termo está subordinado a termos que exigem a preposição a.

“Depois do almoço, todos voltaram à sala de reunião.” (voltar a algum lugar: a sala de reunião)

“O artigo se refere às duas cidades mais populosas do estado.” (referir-se a algo: as duas cidades)

“Como não conseguiram chegar a um acordo, ele teve de recorrer à Justiça. (recorrer a algo: a Justiça)

Uma regra bastante prática, que costuma ser eficaz, é substituir o substantivo feminino por um masculino. Se for necessário usar ao, então, a crase é necessária com o substantivo feminino. Empregando a regra nos casos acima, temos:

“Depois do almoço, todos voltaram aoescritório.”

“O artigo se refere aosdistritos mais populosos do estado.”

“Como não conseguiram chegar a um acordo, ele teve de recorrer ao Judiciário.”

Esta é uma regra geral, bem abrangente, que ajuda a resolver muitas dúvidas sobre o emprego do acento grave indicativo de crase.

Passemos, agora, a casos específicos, pois a ocorrência da crase requer uma abordagem bem casuística.

No caso de nomes geográficos, substitua o a/as por para. Se for necessário empregar para a, o acento grave deve ser usado.

“Todos estavam bastante animados, pois estavam prestes a irà França.” (ir para a França)

“Em razão dos intensos protestos, talvez não seja boa ideia irà Colômbia este ano.” (ir para a Colômbia)

Se o a não for necessário, não há crase. É isso que se verifica quando nos referimos a cidades.

“Iremos a Curitiba ainda este ano.” (Iremos para Curitiba)

“A viagem a Nova Iorque teve de ser cancelada por causa da pandemia.” (A viagem para Nova Iorque)

“Podemos usar também a expressão voltar de. Caso se empregue voltar da, há crase.

“Os viajantes voltarão àIndonésia porque somente de lá é possível tomar um avião com destino a Pequim.”

“Os viajantes voltaram da Indonésia e tiveram de ficar em quarentena.”

No caso abaixo, não há crase, pois se emprega voltar de.

“Os viajantes voltarão aJacarta porque somente de lá é possível tomar um avião com destino a Pequim.”

“Os viajantes voltaram de Jacarta e tiveram de ficar em quarentena.”

Nas próximas publicações, veremos mais casos em que o uso do acento grave é necessário.