TRF3SPMSJEF

Acessibilidade

alto contraste
Transparência e Prestação de contas
Intranet - Acesso Restrito
Menu
InternetEscola de Magistrados#EMAGConectaConexãoEMAG - Língua PortuguesaA TRADIÇÃO DO BOM VELHINHO - PAPAI NOEL

A TRADIÇÃO DO BOM VELHINHO - PAPAI NOEL

A TRADIÇÃO DO “BOM VELHINHO”

Papai Noel

Traços das culturas cristã e pagã que se misturaram ao longo do tempo estão na origem dessa figura lendária, que é um dos principais símbolos do Natal.

Segundo a tradição cristã, a origem doPapai Noelfoi inspirada em São Nicolau, arcebispo de Mira, na antiga Ásia Menor, no século IV. Extremamente caridoso, São Nicolau ajudava as pessoas necessitadas, ofertando sacos de moedas de ouro pelas chaminés das casas.

Na tradição nórdica,Papai Noelestá associado a Odin, deus da mitologia nórdica que presenteava as crianças na véspera do Yule, festa medieval em que os pagãos germânicos comemoravam a chegada do inverno no norte da Europa.

A tradição do “bom velhinho” que, na véspera deNatal, presenteia crianças que se comportaram bem durante o ano chegou à Europa no século XIX, primeiro na Alemanha, e se espalhou por todo o mundo ocidental. Nessa época, no Brasil, a influência cultural francesa era muito grande e praticamente todos os referenciais literários, artísticos, de moda, em suma, de usos e costumes, vinham da França. Assim, a figura lendária do “bom velhinho” popularizou-se por aqui por influência gálica.

O nome Papai Noel temorigem francesa. Você sabia?

Em francês, Natal é Noël (assim mesmo, com um trema noë). Père Noël é o nome do Papai Noel na França. No Brasil, importamos diretamente essa referência, fazendo-se uma tradução literal.

Apenas para comparar, em Portugal, apesar de esse país manter até hoje forte influência cultural francesa, fala-se Pai Natal.

Quando nos referimos à personagem lendária, escrevemos com iniciais maiúsculas: Papai Noel.

“Hoje em dia, mesmo com acesso irrestrito a informações de todo tipo, há muitas crianças que ainda acreditam em Papai Noel.”

Atualmente, há autores de manuais de redação e de gramáticas mais modernas que registram o uso de iniciais maiúsculas também no caso de uma pessoa vestida como Papai Noel.

“Todos os anos o Papai Noel daquele shopping sempre ouve atentamente os desejos das crianças que vão ao seu encontro.”

De todo modo, gramáticos tradicionais preferem marcar a distinção: quando se trata de uma pessoa fantasiada da personagem em si ou de algum adereço com esse tema, deve-se grafar com iniciais minúsculas e com hífen.

“O papai-noel gigantesco que adorna a entrada daquela loja mais assusta do que atrai as crianças, você não acha?”

“Todos os anos o papai-noel daquele shopping sempre ouve atentamente os desejos das crianças que vão ao seu encontro.”

Observe que, nesse exemplo, já abordado anteriormente, à luz da explicação de gramáticos tradicionais, grafamos papai-noel com iniciais minúsculas e hífen.

Fizemos questão de apresentar essas duas explicações porque, em nossas pesquisas, pudemos observar a coexistência das duas grafias. Se, de um lado, tal fato pode até gerar confusão, de outro, dá uma alternativa a mais de expressão escrita, não é mesmo?

Uma última observação:

Vale registrar que o plural dePapai Noel/papai-noel(Papais Noéis/papais-noéis) segue a regra da formação do plural das palavras terminadas em-el, com sílaba tônica no final: troca-se o-lpor-is.

“Adoro passar em frente àquela casa que tem vários papais-noéis na fachada, um diferente do outro.”

 “Os Papais Noéis contratados este ano terão um desafio a mais, que é o de lidar com a possibilidade de se infectarem. Trata-se, portanto, de uma profissão de alto risco!”

Com este verbete natalino, aproveitamos para desejar a todos um Natal de paz e muita luz! Que este ano, tão desafiador sob tantos aspectos, nos motive a valorizar neste Natal o que temos de mais precioso: nossa saúde e bem-estar, assim como de todos aqueles que nos são caros. Que 2021 seja pleno de conquistas e superação das adversidades, com base na união, cooperação e solidariedade. 

Publicado em 17/12/2020 às 14h18 e atualizado em 16/02/2022 às 16h25