TRF3SPMSJEF

Acessibilidade

alto contraste
Transparência e Prestação de contas
Intranet - Acesso Restrito
Menu
InternetEscola de Magistrados#EMAGConectaConexãoEMAG - Língua PortuguesaEmprego de pronomes oblíquos átonos na conjugação de um verbo

Emprego de pronomes oblíquos átonos na conjugação de um verbo

LEMBRE-SE:

Emprego de pronomes oblíquos átonos na conjugação de um verbo

Em primeiro lugar, vamos lembrar que pronomes oblíquos átonos são aqueles que desempenham função sintática de complemento. São eles: me, te, se, o, os, a, as, lhe, lhes, nos e vos. Neste verbete, veremos como conjugar um verbo com os pronomes oblíquos o, a, os, as.

1) Sempre que o verbo terminar com uma vogal oral, ou um ditongo ou tritongo oral, empregam-se os pronomes enclíticos o, a, os, as, ou seja, empregam-se os pronomes posicionados após o verbo, sem alteração.
“Se você ainda não fez sua declaração de Imposto de Renda, faça-a agora, para não pagar multa.”
“Você gostou dos sapatos que ganhou? Se não, quer um conselho? Venda-os nesta plataforma on-line.”
“Quando vi aqueles cantores ao vivo, confesso que me decepcionei. Imaginei-os completamente diferentes.”

Aqui vamos abrir um parêntese para relembrar que ditongo é o encontro de uma vogal com uma semivogal, ou vice-versa, na mesma sílaba. Conforme o local por onde ocorre a passagem do ar no momento em que é pronunciado, ele é classificado em oral ou nasal. Nos ditongos orais, o ar sai totalmente pela boca, como nestas palavras: saudade, pai, intuito, ouro. Já os ditongos nasais são emitidos pela boca e pelas fossas nasais, como em cidadão, mamãe, põe, cãibra. Por fim, tritongo é o encontro vocálico de uma semivogal + uma vogal + uma semivogal, como em iguais, sago, apaziguou, Uruguai. Vale lembrar, ainda, que as semivogais são pronunciadas com menos intensidade que a vogal, ou seja, uma semivogal é mais “fraca” na pronúncia.

2) Nos casos em que a forma verbal terminar em -r, -s ou -z, estas consoantes desaparecem e os pronomes passam a ter as formas lo, la, los, las.
“Estes livros, eu posso dá-los (= dar os livros) ao pessoal que trabalha naquele projeto de leitura na comunidade, o que você acha?”
“Ele ainda não fez as entregas da manhã? Sim, fê-las (= fez as entregas) há pouco.”
“Já foi feita a escolha dos finalistas do concurso de retórica e garantimos, escolhemo-los (= escolhemos os finalistas) com muito rigor e método!”

No futuro do presente e do pretérito, como já sabemos, não se pode pospor o pronome oblíquo. Ele é intercalado no verbo.
“Os elogios ao evento, passá-los-ei aos organizadores.”
“Se as condições atmosféricas permitissem a continuidade dos trabalhos, os operários realizá-lo-iam da maneira mais célere possível.”

3) Se o verbo terminar em ditongo nasal (-am, -em, -ão, -õe), os pronomes assumem as formas no, na, nos, nas.
“As flores já chegaram, trouxeram-nas ainda de manhã bem cedo.”
“Onde devo colocar a estante? Põe-na do lado daquele sofá verde-musgo, por favor.”
“As meninas já foram na frente. Para alcançarem-nas, só correndo, e muito.”

Vale observar:
1) Nos tempos do subjuntivo, é mais comum que os pronomes átonos sejam antepostos ao verbo.
“Estes pacotes, você quer que eu os leve para dentro agora?”
“Se eu os vir ainda hoje, aviso que devem entregar os relatórios quanto antes.”

2) Como já sabemos, não se devem associar pronomes átonos a verbos no particípio.
“As mensagens principais, eu mesmo já as tinha destacado.” (NUNCA: “eu mesmo já tinha destacado-as”)
“O excesso de comentários nas redes sociais os tinha levado a crer que eram populares. Ledo engano!” (NUNCA: “tinha levado-os a crer”)

Estas são, em essência, as regras mais importantes a serem observadas no emprego dos pronomes oblíquos átonos em relação aos verbos. Com este verbete, complementamos nossa série sobre colocação pronominal.

Publicado em 07/07/2021 às 16h09 e atualizado em 16/02/2022 às 16h25